sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus? "

Tu és bom - Adoração & Adoradores


Vento e Fogo

Tratai todos com honra, amai os irmãos, temei a Deus, honrai o rei. —1 Pedro 2:17
Às vezes, quando desejo acender uma fogueira, o vento a apaga. Mas, quando tento apagar uma fogueira, o vento a mantém acesa. Assim, na primeira situação, chamo-o de “mau”, porque frustra meus planos; na outra, eu o chamo “bom”, porque ele me ajuda a realizar meu desejo.
Este paradoxo ilustra como julgamos as coisas pela maneira como estas nos afetam. Declaramos circunstâncias ou pessoas “más” se elas frustram nossos planos ou nos causam inconveniência. Julgamos circunstâncias ou pessoas “boas” se concordarmos cm elas e estas apoiarem nossa causa.
Mas, Deus é aquele que determina o que é bom ou mau; Ele o faz não levando em consideração se isso afeta nossos planos, mas se isso cumpre ou não os Seus planos. Seu plano é que sejamos “sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus”. E Seu propósito para nós é proclamarmos “…as virtudes daquele que vos [nos] chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9).
Para cumprir o bom propósito de Deus, devemos respeitar todas as pessoas, amar outros cristãos, temer a Deus e honrar nossos governantes — mesmo quando algo não nos parece bom (1 Pedro 2:17). Tais ações podem espalhar uma centelha de crença naqueles que observam nossas reações às “más” circunstâncias e, acima de tudo, trazer louvor a Deus
Quando as coisas parecem más, lembre-se de que Deus é bom.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)


"Sempre tenho o Senhor diante de mim. Com ele à minha direita, não serei abalado." 

Todo Som - Banda Resgate


Uma estratégia vencedora

Israel pecou, e violaram a minha aliança… Josué 7:11
Durante meus dias de técnico de basquetebol numa escola de Ensino Médio, cometi um enorme engano. Enviei alguns de meus jogadores para espiarem uma equipe adversária. Eles retornaram com o seguinte relatório: Podemos derrotá-los facilmente. Hiperconfiantes, perdemos para aquela equipe. Isso lhe soa familiar? A mim, faz lembrar a situação em Ai, quando Josué enviou seus espias, que julgaram equivocadamente a força do adversário.
Mas, outras coisas levaram à derrota em Ai além da má espia. Israel perdeu a batalha e 36 soldados por vários motivos que, penso, podem ensinar-nos.
Pouco antes da derrota em Ai, Josué conduziu seu exército com sucesso contra Jericó porque conhecia o plano de Deus para o ataque. Mas, não há menção de Josué consultando Deus antes de Ai. Antes da batalha de Jericó, os homens se consagraram a Deus (Josué 5:2-8). Antes de Ai, nada é dito sobre os homens de Josué se preparando espiritualmente. O pecado no acampamento é o motivo dado pela Bíblia para a derrota dos israelitas. Acã roubara do despojo de Jericó (Josué 7:1). Eles não foram capazes de derrotar Ai até o pecado ser confessado e o povo se consagrar (7:16-26). Então, Deus lhes deu um plano para a vitória (8:1-7).
Uma estratégia vencedora para nossas batalhas diárias: confessar nosso pecado e viver no poder que Deus proporciona.
A pureza no coração produz o poder na vida.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Reapresentação

(clique para ampliar)


Nova oportunidade para você que não pode participar da apresentação do musical “Proibido a Entrada de Pessoas Perfeitas”. No sábado dia 19.01.2013 você poderá reviver junto conosco esta experiência que mudou a vida de muitas pessoas. Programe-se!


Pense Nisso

(clique para ampliar)

Esperar é Caminhar - Palavrantiga


Mãos Limpas


Quem subirá ao monte do Senhor? Quem há de permanecer no seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração… Salmo 24:3-4
Parece que, onde quer que vá nestes dias, você vê avisos incentivando as pessoas a lavarem suas mãos. Com a constante ameaça de germes e vírus disseminando doenças entre o público em geral, os agentes de saúde nos lembram continuamente de que mãos sujas formam o maior agente isolado da disseminação de germes. Assim, além dos avisos exigindo o vigilante lavar das mãos, os lugares públicos frequentemente fornecem desinfetantes para as mãos, para ajudar-nos a tomar cuidado com germes e bactérias.
Davi também falou sobre a importância de “mãos limpas”, mas por um motivo dramaticamente diferente. Ele disse que mãos limpas são uma condição para estar apto a entrar na presença de Deus para adorá-lo: “…Quem subirá ao monte do Senhor? Quem há de permanecer no seu santo lugar?” perguntou ele. E a resposta? “O que é limpo de mãos e puro de coração…” (Salmo 24:3-4). Aqui, “mãos limpas” não é uma referência à higiene pessoal, mas uma metáfora para nossa condição espiritual — estar limpo do pecado (1 João 1:9). Ela fala de uma vida comprometida ao que é correto e divino — capacitando-nos a permanecer inculpáveis perante nosso Senhor no privilégio da adoração.
Por vivermos Sua vida em nós, Ele pode nos ajudar a fazer o que é certo para que nossas mãos estejam limpas e nossos corações prontos para adorar ao nosso grandioso Deus.
O caminho para a adoração começa com gratidão pela purificação concedida por Deus.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Pense Nisso...

(clique para ampliar)

"...eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão." 

Extra, Extra - katsbarnea


O presente


E a vós outros […] reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos… Colossenses 1:21-22
Referimo-nos ao Natal como a época de trocar presentes. A maioria de nós se esforça para encontrar presentes dos quais amigos e família gostarão, mas nem todos os presentes são iguais. Alguns deles vêm com uma insinuação sutil, como um aparelho de ginástica ou um livro sobre perda de peso. Outros são aqueles que quem presenteia deseja para si mesmo. Mas, os melhores são aqueles que vêm de alguém que nos ama e sabe o que desejamos.
No Natal passado, o pastor da minha igreja, nos desafiou a pensar de maneira diferente na vinda de Cristo. Nós sabemos que Jesus era o presente perfeito de Deus para nós (Romanos 6:23), mas o pastor acrescentou outro pensamento. Disse-nos que a vinda de Jesus à terra também poderia ser vista como um presente que Ele deu a Seu Pai. Jesus amava Seu Pai e sabia que o que Ele mais desejava era que nós, Sua criação, fôssemos reconciliados com Ele. Por meio de Sua encarnação, Jesus possibilitou sermos um presente santo e inculpável para Deus (Colossenses 1:22).
Pensar em nós mesmos como um presente para Deus nos faz desejar ser um presente que vale o custo, “…para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus” (Colossenses 1:10).
O maior Presente de Deus deve despertar nossa mais profunda gratidão.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Programe-se


Para mais informações clique aqui

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"Eu o conduzi pelo caminho da sabedoria e o encaminhei por veredas retos"

Até Quando - André Valadão


Seja específico

…Que queres que eu te faça?… Marcos 10:51
No dia anterior a uma grande cirurgia, compartilhei com minha amiga que eu estava realmente apavorada quanto ao procedimento. “Qual parte a apavora?”, perguntou ela. “Tenho muito medo de não acordar da anestesia”, respondi. Imediatamente, Anne orou: “Pai, o Senhor conhece o medo da Cindy. Por favor, acalme seu coração e encha-a com Sua paz. E, Senhor, por favor, acorde-a após a cirurgia.”
Penso que Deus gosta desse tipo de especificidade quando conversamos com Ele. Quando o cego mendigo Bartimeu clamou a Jesus por ajuda, Jesus perguntou: “…Que queres que eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver. Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou…” (Marcos 10:51-52).
Não precisamos fazer rodeios com Deus. Embora possa haver um momento para orar poeticamente, Davi o fez, também há momentos em que devemos dizer simplesmente “Deus, perdoe-me pelo que acabo de dizer” ou simplesmente “Jesus, eu te amo, pois…”. Ser específico com Deus pode até ser um sinal de fé, porque reconhecemos que não estamos falando com um Ser distante, mas com uma Pessoa verdadeira que nos ama intimamente.
Deus não se impressiona com uma torrente de palavras elaboradas. Ele escuta o que o nosso coração está dizendo.
A essência da oração é a oração do coração.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"Busquem o Senhor enquanto se pode achá-lo; clamem por ele enquanto está perto. "

Let it fade - Jeremy Camp


Ouvidos abertos


Sacrifícios e ofertas não quiseste; abriste os meus ouvidos; holocaustos e ofertas pelo pecado não requeres. Salmo 40:6
Recentemente, estava enfrentando um problema com meus ouvidos e decidi tentar um tratamento um tanto controverso. Supostamente, ele derreteria o cerume e eliminaria qualquer possível impedimento à minha capacidade de ouvir. Tenho de admitir que parecia uma experiência estranha. Mas, desesperado para conseguir ouvir claramente, dispus-me a tentar.
Se a boa audição é importante na vida, ela é ainda mais importante em nossa caminhada com Deus. No Salmo 40:6, Davi declarou: “Sacrifícios e ofertas não quiseste; abriste os meus ouvidos; holocaustos e ofertas pelo pecado não requeres.” A palavra abriste neste versículo pode ser traduzida como desimpediste e refere-se ao que Deus deseja para nós. Ele quer que nossos ouvidos estejam abertos e prontos a ouvi-lo ao falar conosco por meio de Sua Palavra. Às vezes, porém, nossos ouvidos espirituais podem estar bloqueados pelo ruído de fundo da cultura ao redor ou pelas canções de sereias da tentação e pecado.
Que nós possamos, em vez disso, inclinar nossos corações ao Senhor em total devoção, mantendo nossos ouvidos abertos a Ele para que sejamos sensíveis à Sua voz. Ao falar, Ele colocará Sua Palavra em nossos corações e nós aprenderemos dele para nos deliciarmos com Sua vontade (Salmo 40:8).
Deus fala por meio de Sua Palavra àqueles que escutam com seus corações.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Pense Nisso...


...e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador!

Deus me ama - Thalles Roberto & André Valadão


Vale o Risco


Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. —Efésios 2:8-9
O que alguém daria em troca de um novo iPad? Um garoto de 17 anos deu um rim! Aparentemente, ele não podia pagar por um iPad e queria tanto um, que se dispôs a correr o risco da cirurgia.
Estevão, no livro de Atos 7, correu um sério risco, mas foi para proclamar as boas-novas sobre Jesus. Ao efetuar milagres, ele foi preso, falsamente acusado de blasfemar contra Deus e a lei mosaica, e levado à presença do sumo sacerdote (Atos 6:8-14). Em resposta a uma pergunta do sumo sacerdote (Atos 7:1), Estêvão correu o risco e pregou um sermão do qual sabia que seus ouvintes não gostariam. Ele disse que, em toda a história de Israel, a nação repetidamente rejeitara os mensageiros de Deus. E, agora, eles haviam rejeitado o Messias.
O sermão de Estêvão provocou uma forte reação. “Eles, porém, clamando em alta voz, taparam os ouvidos e, unânimes, arremeteram contra ele. E, lançando-o fora da cidade, o apedrejaram…” (Atos 7:57-58). Por que Estêvão arriscaria sua vida para pregar a respeito de Jesus? Ele desejava desesperadamente que seus ouvintes soubessem que, devido à morte e ressurreição de Jesus, eles não precisavam mais viver sob a lei, mas poderiam viver sob a graça e o perdão (Atos 6:13-15; Efésios 2:8-9). Jesus morreu para que nós tenhamos a vida eterna.
A vida de um cristão é uma janela pela qual os outros podem ver Jesus.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

Autor da Vida - Diante do Trono


Eu inventei

Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Jó 38:4
Willard S. Boyle, ganhador do Prêmio Nobel de Física, foi o coinventor do “olho eletrônico” por detrás das câmeras digitais e do telescópio Hubble. Ele queria comprar uma nova câmera digital e visitou uma loja em Halifax, Nova Escócia, Canadá. O vendedor tentou explicar-lhe sobre a complexidade da câmera, mas parou por sentir que era complicado demais para ele compreender. Em seguida, Boyle o interrompeu abruptamente dizendo: “Não precisa explicar. Eu a inventei.”
Após Deus permitir a Satanás testar Jó tirando sua família, sua saúde e seus bens (Jó 1–2), Jó lamentou o dia em que nascera (Jó 3). Nos capítulos seguintes, Jó perguntou por que Deus lhe permitiria enfrentar tanto sofrimento. Então, com franqueza divina, Deus lembrou Jó de que Ele “inventara” a vida e criara o mundo (Jó 38–41). Deus convidou-o a repensar o que Jó dissera. Ao chamar a atenção para Seu soberano poder e para a profundidade de Sua sabedoria demonstrada em todos os cantos da terra (38:4-41), Deus expôs a imensidão da ignorância de Jó.
Se formos tentados a dizer a Deus como a vida deveria funcionar, lembremo-nos de que Ele a inventou! Que Ele possa nos ajudar a reconhecer humildemente nossa ignorância e a confiarmos nele — o Criador do universo.
Compreender Deus é impossível, mas adorá-lo é vital.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

Mais forte que a morte - Livres para Adorar


O círculo do sábio

Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que existe desde o princípio… 1 João 2:13
Quando eu servia no presbitério de uma igreja, um presbítero, Roberto Smith, que era mais velho que a maioria de nós, frequentemente nos fazia buscar direção na Palavra de Deus.
Em certa ocasião, discutíamos sobre a falta de líderes na igreja e já tínhamos passado uma hora ou mais analisando diversas soluções. Um dos conselheiros silenciou durante toda a discussão. Finalmente, ele disse tranquilamente: “Senhores, nós nos esquecemos da solução de Jesus para o nosso problema de liderança. Antes de fazermos alguma coisa, precisamos primeiramente rogar ‘…ao Senhor da seara que mande trabalhadores’” (Lucas 10:2). Sentimo-nos humilhados e passamos o restante de nosso tempo orando para que Deus levantasse obreiros e os enviasse ao campo.
C. S. Lewis disse: “Depois de ser sábio, a segunda melhor coisa é viver num círculo de sábios.” Provérbios 1:5 afirma: “Ouça o sábio e cresça em prudência…”. O comentário de Smith é apenas um exemplo do valor de homens e mulheres sábios que conhecem “…aquele que existe desde o princípio” (1 João 2:13-14) e cujas mentes estão repletas da Palavra de Deus.
Ouçamos o conselho daqueles que viveram na presença do Senhor e são maduros em Sua sabedoria. Eles são um dom de Deus para nós e nossas igrejas.
O verdadeiro sábio adquire sabedoria a partir da experiência dos outros.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"Cantem ao Senhor um novo cântico; cantem ao Senhor, todos os habitantes da terra!"


Novo - Leonardo Gonçalves


A trilha de lágrimas

E [Deus] lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto… Apocalipse 21:4
Um acontecimento muito severo e trágico na história dos EUA foi a migração forçada de milhares de povos nativos no início do século 19. Tribos de índios norte-americanos, que celebraram tratados com a florescente população branca e lutaram lado a lado com ela, foram expulsos das terras de seus ancestrais. No inverno de 1838, milhares de índios Cherokees foram forçados a embarcar numa brutal marcha de 1.600 quilômetros em direção ao oeste, conhecida como a Trilha de Lágrimas. Esta injustiça causou a morte de milhares de pessoas, muitas das quais tinham pouca ou nenhuma vestimenta, calçados ou suprimentos para tal jornada.
O mundo continua repleto de injustiça, dor e sofrimento. Nos dias de hoje, muitos podem sentir-se como se estivessem deixando uma trilha de lágrimas — lágrimas que passam despercebidas, e pesar não confortado. Mas, nosso Senhor vê nossas lágrimas e conforta nossos corações abatidos (2 Coríntios 1:3-5). Ele também declara a esperança de um tempo futuro não marcado pelas manchas de pecado ou de injustiça. Nesse dia e lugar, Deus “…lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Apocalipse 21:4).
O Deus que oferece libertar-nos das lágrimas futuras é o único que pode confortar totalmente nossas lágrimas agora.
Quando Deus permite provações, Ele também supre o conforto.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Pequeno Grupo

(clique para ampliar)

Jovem, venha participar do nosso pequeno grupo que acontece toda terça feira sempre as 20 horas. Durante algumas horas conversamos, trocamos experiências, cantamos, rimos e claro, oramos. 

Nossos encontros acontecem na casa do Jé e da Aline. Caso você queira participar e não sabe qual é o endereço, deixe seu e-mail no espaço para comentários ou mesmo entre em contato pelas nossas redes sociais. 

TODOS estão convidados. 

Pense Nisso

(clique para ampliar)

Esperar é Caminhar - Palavrantiga


Traições emocionais

[Jesus] …achou-os dormindo; e disse […] nem uma hora pudestes vós vigiar comigo? Mateus 26:40
Alguns anos atrás, meu amigo e eu estávamos lendo juntos Mateus 26, que fala sobre Jesus no Jardim do Getsêmani. “Eu sei o seguinte:”, disse ele durante a leitura, “se eu estivesse com Jesus no Getsêmani, teria vigiado. De maneira alguma eu adormeceria!” Indignado, continuou: “Como é que alguém consegue dormir depois de ouvir Jesus falar sobre toda a Sua tribulação? Ele estava praticamente implorando!” (v.38).
Sabendo que nossas famílias sofriam com nossas longas jornadas de trabalho, pensei em voz alta para meu amigo ouvir: “Quantas vezes nossos filhos procuraram por nós na multidão de suas atividades escolares, esperando ver-nos? Nossos filhos enfrentam tribulações sozinhos porque estamos longe ou ocupados? Nossas famílias e amigos têm uma intensa necessidade da nossa atenção pessoal. Até mesmo Jesus pediu a Seus discípulos para vigiarem e orarem com Ele” (vv.40-45).
Equilibrar as demandas da vida com as necessidades daqueles que amamos e servimos não é algo simples, mas falhar nisso é traição emocional. Ao pensarmos sobre os discípulos desapontando Jesus no Jardim, temos a chance de considerar as maneiras como podemos, hoje, demonstrar nosso cuidado por nossos entes queridos e seus interesses. Ajude-nos, Senhor, a amar os outros profundamente.
Uma medida do nosso amor por Cristo é a nossa sensibilidade às necessidades dos outros.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar) 

Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá!

Você estava ali - Raiz Coral


Qual Caminho?

…os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles… Oseias 14:9
Pedir informações não é algo que mais gosto de fazer. Sempre sinto que, se ficar num local tempo suficiente, acabarei encontrando meu caminho. Por outro lado, minha mulher, Martie, é sempre rápida para pedir informações e mal pode acreditar em minha teimosia para admitir que não faço a menor idéia do local para o qual estou indo. No final, ela é a mais sábia. Ela chega ao seu destino rapidamente e sem angústia, enquanto eu acabo me perdendo.
Pensar que somos suficientemente inteligentes para navegar pela vida por nossa própria conta contraria a advertência das Escrituras que nos diz: “Há caminho que parece direito ao homem, mas afinal são caminhos de morte” (Provérbios 16:25). Quando estamos numa encruzilhada, precisamos parar e consultar os caminhos do Senhor, “…porque os caminhos do Senhor são retos…” (Oséias 14:9).
A vida é uma jornada direcional. É vitalmente importante saber como dirigir nossas vidas com sucesso em direção a relacionamentos abençoados e pacíficos, atos significativos de amor e serviço, uma experiência plena em Deus, e a muitos outros destinos de vital importância.
Pedir orientação a Deus não é apenas uma boa idéia — é crítico. “Confia no Senhor de todo o teu coração […] e ele endireitará as tuas veredas” (Provérbios 3:5-6).
Peça orientação a Deus, porque Ele conhece o caminho.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Programe-se



Pense Nisso

(clique para ampliar)

Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados. 1 Pedro 4:8

Teu Amor Não Falha - Nívea Soares


Apenas Garotos

Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis… 1 Timóteo 4:12
Após o Ensino Médio, Darrell Blizzard deixou o orfanato onde crescera para alistar-se nas tropas aeronáuticas do exército dos EUA. A Segunda Guerra Mundial estava no auge, e ele encarou responsabilidades habitualmente atribuídas a homens mais velhos e experientes. Anos depois, ele contou a um repórter que um arado com junta de quatro mulas fora a maior coisa que ele dirigira antes de pilotar um bombardeiro de quatro motores, o B-17. Perto dos seus 90 anos, disse: “Éramos apenas garotos pilotando aquelas coisas.”
Na Bíblia, há registros de muitos jovens que seguiram a Deus corajosamente. Numa situação de liderança espiritual corrupta, “Samuel ministrava perante o Senhor, sendo ainda menino…” (1 Samuel 2:18). Davi enfrentou o gigante Golias apesar de lhe terem dito: “…Contra o filisteu não poderás ir para pelejar com ele; pois tu és ainda moço…” (17:33). Maria, a mãe de Jesus, era, provavelmente, muito jovem ao saber que daria luz ao Filho de Deus. Ela respondeu à proclamação do anjo dizendo: “…que se cumpra em mim conforme a tua palavra…” (Lucas 1:38). Paulo disse ao jovem Timóteo: “Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis…” (1 Timóteo 4:12).
Deus valoriza cada um em Sua família. Em Sua força, o jovem pode ser ousado na fé, e os mais velhos podem encorajar aqueles que são “apenas garotos”.
O encorajamento aos jovens nunca deveria envelhecer.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo..."

Foi Assim - Helvio Sodre


Incentivo improvável

[Os juízos do Senhor] São mais desejáveis do que ouro… Salmo 19:10
Você está procurando encorajamento? Necessita de um pequeno reforço hoje, em meio a todas as más notícias que está recebendo? O salmista Davi pode elevar seu espírito de uma maneira inesperada por intermédio de algumas palavras que, frequentemente, consideramos negativas.
Ao lermos o Salmo 19, descobrimos uma pequena lista de maneiras pelas quais a claramente definida “lei”, ou padrões de vida, do Senhor pode trazer resultados positivos. Este é um incentivo improvável, pois algumas pessoas consideram os padrões divinos como algo restritivo que nos priva da felicidade.
Aqui estão algumas palavras que o salmista usou para os padrões de Deus: “lei do Senhor” (v.7), “testemunho” (v.7), “preceitos” (v.8), “mandamento” (v.8), “temor do Senhor” (v.9), e “juízos” (v.9). Estas palavras soam ameaçadoras, fazendo muitas pessoas desejarem evitar ou rejeitá-las.
Mas, perceba o que essas coisas trazem ao coração que crê e obedece: conversão da alma, sabedoria, alegria do coração, pureza de vida, iluminação dos olhos, permanência, verdade e justiça (vv.7-9). Esse é um grande encorajamento! Não admira que, a respeito da lei de Deus, Davi tenha dito o que Ele nos deu: “São mais desejáveis do que ouro […] e são mais doces do que o mel…” (v.10).
A obediência à Palavra de Deus é a maior liberdade do cristão.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

Pois vocês morreram, e agora a sua vida está escondida com Cristo em Deus. Cl. 3:3

Extraordinário - Jotta A


Barreiras e bênçãos


Muitos […] creram nele, em virtude do testemunho da mulher, que anunciara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. João 4:39
O que Jesus viu ao olhar para a mulher ao lado do poço no livro de João 4? Ele viu alguém que desejava aceitação e necessitava desesperadamente saber que era amada. Acima de tudo, Ele viu alguém que precisava daquilo que somente Ele poderia conceder — um novo coração.
Não foi por acaso que todos os discípulos haviam ido à cidade para comprar alimento. Certamente, eles tentariam alertar Jesus a não conversar com esta pessoa — mulher, samaritana e de má reputação.
Não sendo, porém, um seguidor de protocolos, Jesus usou este encontro para abençoá-la com a verdade da “água viva” (João 4:10). Em apenas uma conversa, Ele derrubou barreiras de antigas hostilidades, de preconceitos de gênero, de divisões étnicas e raciais. E esta mulher se tornou a primeira dentre muitos samaritanos a confessar que Jesus era o Messias (vv.39-42).
Ao contar a outros sobre seu encontro com um Homem que sabia tudo “…quanto tenho feito”, ela já praticava o princípio de “semear e colher” que Jesus ensinava a Seus seguidores (João 4:35-38). Muitos creram naquele dia; tempos depois, Filipe, Pedro, João e outros pregariam em Samaria e levariam muitos mais a Cristo (Atos 8:5-14; 15:3).
Quando contamos a outros sobre nosso próprio “encontro” com Jesus, nós os abençoamos com água viva.
A fé que vale a pena ter é uma fé que vale a pena compartilhar.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Pequeno Grupo



Jovem, venha participar do nosso pequeno grupo que acontece toda terça feira sempre as 20 horas. Durante algumas horas conversamos, trocamos experiências, cantamos, rimos e claro, oramos. 

Nossos encontros acontecem na casa do Jé e da Aline. Caso você queira participar e não sabe qual é o endereço, deixe seu e-mail no espaço para comentários ou mesmo entre em contato pelas nossas redes sociais. 

TODOS estão convidados. 

Pense Nisso

(clique para ampliar)

"Sempre tenho o Senhor diante de mim. Com ele à minha direita, não serei abalado." (Sl. 16.8)

Autor da Vida - Oficina G3


De mãos abertas

…abrirás de todo a mão [ao necessitado]… Deuteronômio 15:8
Um homem sem-teto investe parte do seu tempo em nossa biblioteca local. Uma tarde, enquanto eu lá estava, escrevendo, fiz uma pausa para o almoço. Após terminar a primeira metade de um sanduíche de peru e queijo suíço, veio-me à mente uma imagem do rosto daquele homem. Alguns minutos depois, ofereci-lhe a parte intocada de meu almoço. Ele aceitou.
Esse breve encontro me fez perceber que, com tudo que Deus me deu, eu precisava fazer mais para ajudar os menos afortunados. Mais tarde, ao pensar sobre isso, li as instruções de Moisés sobre prover aos necessitados. Ele disse aos israelitas: “Não […] fecharás as mãos a teu irmão pobre; antes, lhe abrirás de todo a mão…” (Deuteronômio 15:7-8). A mão aberta simboliza a maneira como Deus desejava que Sua nação concedesse provisão às pessoas empobrecidas — com disposição e liberalidade. Sem desculpas, sem limitações (v.9). Deus lhes havia dado, e desejava que eles dessem quantidade generosa o suficiente para suprir o que lhes faltava, ou seja; quanto lhes bastasse à sua necessidade (v.8).
Quando oferecemos ajuda aos pobres, com as mãos abertas, Deus nos abençoa por nossa bondade (Salmo 41:1-3; Provérbios 19:17). Com a Sua direção, considere de que maneira você poderia “fartar a alma aflita” (Isaías 58:10) e dar liberalmente para ajudar a outros em nome de Jesus.
Você pode se doar sem amar, mas não pode amar sem se doar.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Pense Nisso

(clique para ampliar)

Happy Day - Jesus Culture


Nós importamos para Deus?

…No tempo aceitável, eu te ouvi e te socorri no dia da salvação… Isaías 49:8
“Quando contemplo os teus céus…”, escreveu o salmista, “…que é o homem, que dele te lembres?…” (Salmo 8:3-4). O Antigo Testamento gira em torno desta pergunta. Estafando-se no Egito, os escravos hebreus tinham dificuldade em crer nas garantias de Moisés, de que o próprio Deus se preocuparia com eles. O autor de Eclesiastes construiu a pergunta de maneira mais cínica: “Algo importa?”
Eu mesmo tinha essa dúvida quando fui convidado a fazer uma palestra sobre o tema “…nas palmas das minhas mãos te gravei…” (Isaías 49:16).
Deus fez essa comovente declaração às pessoas que passavam por um momento frágil em sua história quando Isaías profetizou que elas seriam levadas cativas à Babilônia. Ouvindo isso, as pessoas se lamentaram: “…O Senhor me desamparou, o Senhor se esqueceu de mim” (Isaías 49:14). Em resposta a essa lamentação, Deus fez uma série de promessas — os Cânticos do Servo (Isaías 42–53) — no qual Ele estabelece o cenário da esperança pelo livramento de inimigos hostis. Ele antecipa a encarnação e a morte sacrificial do Servo.
Nós importamos para Deus? O Natal é um memorial da resposta de Deus: “…eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Isaías7:14).
A vinda de Jesus é a prova definitiva e incontestável de que Deus se importa conosco. —Barclay